Crise de refugiados afegãos em Cumbica pode ser evitada

A crise humanitária vivida pelos refugiados afegãos acampados no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, parece não ter fim. O número de novas levas de famílias oriundas do país asiático cresceu de maneira alarmante – ONGs e grupos de apoio chegaram a contabilizar de 70 a 100 pessoas nos saguões de Cumbica.

Essa situação tem sido uma constante desde setembro de 2021, quando o regime do Talibã voltou ao poder no Afeganistão, fazendo com que as taxas de migração para o exterior aumentassem acentuadamente para todas as partes do mundo.

Desde essa época até junho desse ano, o Governo Federal autorizou 11.576 vistos humanitários para migrantes afegãos. Segundo a Polícia Federal, de janeiro de 2022 até abril deste ano, foram mais de 6 mil pessoas oriundas do país asiático a procura de refúgio.

Entretanto, a concessão de vistos, por si só não é suficiente, pois o acolhimento dessas famílias continua lento e caótico. Alguns refugiados estão há mais de seis meses a espera de abrigo. Ainda há dificuldades para encontrar abrigos permanentes, enquanto os leitos temporários, alocados em Guarulhos e Praia Grande, já estão lotados.

Para mudar essa situação, faz-se necessário, portanto, a montagem imediata de uma rede de acolhimento eficiente e de uma força-tarefa, contando com a participação de órgãos públicos, que busque a regulamentação de uma política migratória e de atendimento a refugiados eficaz.

Foto de Unsplash

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

I accept the Terms and Conditions and the Privacy Policy

Fale com um
Especialista em Global Mobility